CARLOS MEDINA - Venezuela, nascido em 1953

Escultor de renome, Carlos Medina é formado em Arte e História da Arte pela Escola de Artes Plásticas Cristóbal Rojas, em Caracas. Com apenas 22 anos de idade, uma exposição individual é-lhe dedicada no Museu de Arte Contemporânea de Caracas, a convite da sua directora Sofia Imber. Aos 25 anos recebeu duas bolsas, uma do governo italiano e outra da Fundação para as Artes e Cultura (Venezuela) para seguir uma formação especial em Carrara. Lá ele se especializou em escultura de pedra.

Baseado na abstração geométrica, ele revela suas principais preocupações artísticas: volume e espaço. As suas obras são uma interpretação essencial e imperceptível das formas, da natureza e do universo. Com seu trabalho mais recente, ele vai além dos limites entre abstração e figuração, explorando a justaposição entre a presença e a ausência de referência, numa tentativa de dar uma resposta formal e crítica aos dilemas contemporâneos, aos excessos da nossa sociedade onde não há espaço para o aprofundamento nem tempo para a contemplação.

O artista procura nos encorajar a refletir sobre a importância do vazio, a contemplação do infinitamente pequeno em oposição à abundância e a impressão de imobilidade em movimento. Uma vez justificada a ausência, o vazio torna-se o actor principal, o espaço adquire um valor, o que é invisível torna-se um objecto e toma forma, a noção de apoio deixa de se aplicar.

Sua reputação cruzando fronteiras, seu trabalho está presente em numerosas exposições a nível internacional, em museus de arte contemporânea (MUSA, MACAY, MACSUL, MOLAA, CENART). Em 2017, seu primeiro livro antológico será publicado em Paris: "MEDINA, Du matériel à l'essentiel", que mostra a evolução de sua obra ao longo de mais de 40 anos. Este livro ganhou o prêmio de melhor publicação concedido pela Associação Internacional de Críticos de Arte (AICA).

Ele vive e trabalha actualmente entre Paris e Caracas.